Se você teve alguma decepção ou está passando por uma fase ruim, leia isto!

Tempo de leitura: 3 minutos

Conta-se que um homem muito rico, ao morrer, deixou suas terras para os seus filhos.

Todos eles receberam terras férteis e belas, com exceção do mais novo, para quem sobrou um brejo inútil para a agricultura.

Seus amigos se entristeceram com isso e o visitaram, lamentando a injustiça que lhe havia sido feita.

Mas, ele só lhes disse uma coisa: Se é bom ou se é mau, só o futuro dirá.

No ano seguinte, uma seca terrível se abateu sobre o país e as terras dos seus irmãos foram devastadas. As fontes secaram, os pastos ficaram esturricados, o gado morreu.

No entanto, o brejo do irmão mais novo se transformou num oásis fértil e belo. Ele ficou rico e comprou um lindo cavalo branco por um preço altíssimo.

Seus amigos organizaram uma festa porque algo tão maravilhoso lhe havia acontecido.

Mas, dele só ouviram uma coisa: Se é bom ou se é mau, só o futuro dirá.

No dia seguinte, seu cavalo de raça fugiu e foi grande a tristeza. Seus amigos vieram e lamentaram o acontecido. Mas o que o homem lhes disse foi: Se é bom ou se é mau, só o futuro dirá.

Passados sete dias, o cavalo voltou trazendo consigo dez lindos cavalos selvagens. Vieram os amigos para celebrar esta nova riqueza, mas o que ouviram foram as palavras de sempre: Se é bom ou se é mau, só o futuro dirá.

No dia seguinte, o seu filho, sem juízo, montou um cavalo selvagem. O cavalo deu um salto e o lançou longe. O moço quebrou uma perna. Voltaram os amigos para lamentar a desgraça. Se é bom ou se é mau, só o futuro dirá, o pai repetiu.

Passados poucos dias, vieram os soldados do rei para levar os jovens para a guerra. Todos os moços tiveram de partir, menos o seu filho de perna quebrada. Os amigos se alegraram e vieram festejar.

O pai viu tudo e só disse uma coisa: Se é bom ou se é mau, só o futuro dirá.

Este famoso texto de Rubem Alves vem nos lembrar de uma grande verdade: muitas vezes, como não temos a visão do todo, julgamos alguns fatos com uma visão estreita e imediatista.

Existe uma Lei do Universo chamada Lei do Ritmo (Saiba mais aqui e aqui), esta Lei nos ensina sobre os ciclos. Tudo o que sobe desce, e tudo o que desce sobe. Os cabalistas conhecem isso muito bem, e o rabino Nilton Bonder trazer exemplos fantásticos em seu livro A Cabala Do Dinheiro.

A vida pode nos dar duros golpes de vez em quando, assim como pode nos trazer grandes prazeres. Em qualquer um dos casos, o mais importante é seguir em frente (algumas paradas para reflexão fazem parte) com fé, acreditando que a tempestade vai passar.

Este conto Sufi que já foi compartilhado mais de 20 mil vezes mostra muito bem esta realidade, vale a pena você ler e compreender estes ensinamentos.

Quer um exemplo real de como estas coisas funcionam? Pois bem, talvez você tenha ouvido falar sobre a compra do WhatsApp pelo Facebook por 16 bilhões de dólares. O que talvez você não saiba, é que poucos anos antes, um dos fundadores do WhatsApp foi pedir emprego no Twitter e no próprio Facebook, e foi rejeitado!

Em sua conta no Twitter ele postou algo como “Fui rejeitado pelo Twitter. Tudo bem. Seria um trajeto longo mesmo.

acton-twitter

Já que ele foi negado pelo Twitter e pelo Facebook, ele se juntou à outro programador, chamado Jan Koum, e criou o tão famoso hoje WhatsApp. Segundo a revista Forbes, esta transação de compra e venda rendeu para o Brian Acton nada menos do que 3 bilhões de dólares.

Então meus amigos e amigas, se a vida te trouxer desafios, busque forças para continuar! Lá na frente, segundo a Lei do Ritmo (e pelo seu merecimento), muitas coisas boas virão. _/\_

Pra finalizar, deixo um dos vídeos motivacionais mais compartilhados da Internet. Inspire outras pessoas compartilhando este post, basta clicar em um dos links de compartilhamento =)