Você também perde oportunidades por este motivo? (Se estiver com medo da crise, leia duas vezes!)

Tempo de leitura: 5 minutos

Você tem sonhos? Desejos? Quer evolução espiritual? Este conto ilustra bem uma questão que acaba atrapalhando muitas pessoas a atingirem os seus objetivos, vamos a ele:

Havia um mercador muito famoso e rico, que vivia viajando pelo mundo para comprar seda, especiarias, perfumes. Nestas três coisas era um dos mercadores mais perfeitos: sabia onde encontrar as coisas com os menores preços, quais os melhores mercados do mundo,, e onde vender as mercadorias com maior lucro. E tinha lucrado muito. Esse era seu único interesse: descobrir cada vez mais sobre perfumes e especiarias.

Um dia, passando por uma cidade, alguém lhe disse:

– Aqui vive um homem muito sábio. Seja o que for que se pergunte, ele sempre responde.

O mercador pensou: “Talvez ele saiba algo sobre seda, especiarias e perfume. Talvez possa ser útil em me mostrar algum mercado onde eu possa conseguir as mercadorias a preços até mais baixos”.

E foi até o sábio. Antes mesmo de ele perguntar, o sábio disse:

– Sim, eu sei. Vá para o norte, nos Himalaias – e lhe deu a indicação de um determinado morro. – Vá a esse morro e sente-se lá por três dias. Nesses três dias, você verá algo que jamais viu antes. Depois volte.

O homem apressou-se. Ele tinha o cavalo mais ligeiro do país. Foi correndo para as montanhas e encontrou o tal morro. Ele jejuou e orou, sentando-se lá por três dias, olhando ao redor e sonhando com seda, perfume e especiarias. E ficou esperando… – uma porta desconhecida se abriria e ele se tornaria o senhor de todas as sedas, todas as especiarias, todos os perfumes que existem no mundo.

A chave seria entregue em suas mãos dentro de três dias. Ele esperou, esperou, e fantasiou e sonhou. Não foi capaz nem mesmo de ver o belo vale que estava ao seu redor, ou o belo e silencioso rio que passava por ali sem fazer o menor ruído. Ele não podia ouvir os pássaros cantando na manhã, não podia ver o belo pôr do sol. Não podia ver nada, porque estava muito cheio de sonhos e muito tenso, esperando por alguma coisa.

Três dias se passaram e nada aconteceu. Ele ficou aborrecido e com raiva. Voltou correndo até o sábio e disse:

– Não aconteceu nada! Eu não pude ver nada que já não tivesse visto antes. O que fiz de errado?

O sábio riu e disse:

– Sua ideia de riqueza. – E acrescentou:

– Agora não volte àquele vale novamente, pois nunca mais o encontrará, mas por toda a margem do rio havia diamantes. Aquelas não eram pedras comuns, eram diamantes. Mas você o perdeu.

Então o homem se lembrou, como que em sonho, que tinha visto algo… – indistinto, vago, nublado, mas tinha visto algo. Sim, de manhã, sob os raios do sol, teve um vislumbre de muitas pedras brilhando. Mas ele tinha a sua própria ideia de riqueza e ela já era demais…

Você se imaginou na pele do nosso amigo mercador? Descobrindo que perdeu a oportunidade de enxergar todo aquele diamante? Pior, será que você mesmo já não viveu uma situação parecida? Ou pior ainda, viveu e não se deu conta?

No meu trabalho vejo que algumas pessoas acabam bloqueando a sua evolução pessoal simplesmente por se prenderem à conceitos e ideias que não estão contribuindo para o seu crescimento, impossibilitando a si mesmo de olhar em volta e enxergar novos caminhos.

Existe uma frase de uma música que diz: “Um homem só enxerga aquilo que ele quer ver…”

Nesta história, o mercador fez sim todo o sacrifício, porém não liberou a mente, não se desprendeu do seu mundo. No Coaching temos uma técnica específica justamente para trabalhar esta questão, e se chama adivinha? Ideias fixas!

Nosso amigo tinha uma ideia de riqueza, só conseguia enxergar aquela possibilidade. Na PNL, poderíamos dizer que estava com o Mapa limitado… Ele queria comprar os produtos dele mais barato para lucrar mais, e a visão estreita de só pensar nessa possibilidade, o impossibilitou de enxergar algo que poderia dar muito mais lucro para ele.

Assim é a nossa vida, se nos prendermos à ideias fixas, se não enxergarmos além, podemos perder grandes oportunidades. O mercado está cheio de exemplos assim. Você sabia que a Blockbuster poderia ter comprado a Netflix anos atrás por um valor infinitamente menor do que o que ela vale hoje? Na época, os executivos da Blockbuster diziam que aquilo não daria em nada, e hoje veja como estão as duas empresas.

Este é um post que espero que te ajude a abrir a mente, pensar além. Aqui no Brasil estamos falando muito de crise, e sem dúvida estamos em um momento desafiador. Vamos ver a origem da palavra crise?

É o Latim CRISIS, do Grego KRISIS, “julgamento, seleção, resultado de uma avaliação”, de KRINEIN, “separar, decidir, julgar”, de uma base Indo-Europeia KREI-, “discriminar, distinguir, peneirar”. – origemdapalavra.com.br

A crise é um mecanismo do Universo que vem separar aquilo que não serve mais, é um momento de mudança, que nos obriga a sair da zona de conforto. Que você possa abrir o campo de visão e enxergar algo que possa estar mais próximo do que imagina. Quero deixar uma dica que uso no processo de Coaching, na sessão da Análise SWOT. Geralmente as oportunidades estão ligadas aos seus pontos fortes, você conhece eles?

Para finalizar, deixo duas frases para reflexão:

A crise representa purificação e oportunidade de crescimento. –  Leonardo Boff

Quando escrito em chinês a palavra crise compõe-se de dois caracteres: um representa perigo e o outro representa oportunidade. – John F. Kennedy